Brasil ultrapassa a marca de 400 mil unidades consumidoras com geração distribuída solar fotovoltaica

Segundo a ABSOLAR, setor já atraiu mais de R$ 19 bilhões em novos investimentos ao País, agregando cerca de 110 mil empregos acumulados desde 2012

Por Ricardo Casarin

O Brasil ultrapassa a marca de 400 mil unidades consumidoras com geração distribuída solar fotovoltaica, mostra levantamento da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR). De acordo com a entidade, o segmento totaliza mais de 3,8 gigawatts de potência instalada operacional, sendo responsável pela atração de mais de R$ 19 bilhões em novos investimentos ao país, agregando cerca de 110 mil empregos acumulados desde 2012.

O levantamento aponta que os consumidores residenciais estão no topo da lista, representando 68,8% do total das unidades consumidoras com energia solar. Em seguida, aparecem as empresas dos setores de comércio e serviços (20,2%), consumidores rurais (8,0%), indústrias (2,6%), poder público (0,4%) e outros tipos, como serviços públicos (0,03%) e iluminação pública (0,01%).

Já em potência instalada, os consumidores dos setores de comércio e serviços lideram com 38,8% da potência instalada no país, seguidos de perto por consumidores residenciais (38,0%), consumidores rurais (13,2%), indústrias (8,8%), poder público (1,1%) e outros tipos, como serviços públicos (0,1%) e iluminação pública (0,02%).

Conforme a ABSOLAR, as cerca de 400 mil unidades consumidoras recebem créditos de energia de mais de 318 mil sistemas conectados à rede. A tecnologia solar fotovoltaica já está presente em mais de 5 mil municípios e em todos os estados brasileiros. Entre os cinco municípios líderes na solar distribuída estão Uberlândia (MG), Cuiabá (MT), Rio de Janeiro (RJ), Fortaleza (CE) e Teresina (PI), respectivamente.

O levantamento feito pela entidade mostra que, nos últimos doze meses, foram adicionadas mais de 214 mil novas unidades consumidoras com geração distribuída da fonte solar no Brasil, um crescimento de mais de 118% em comparação com o período anterior.

“Nos últimos sete anos, a geração distribuída solar teve um crescimento médio de 231% ao ano no Brasil. Esse desenvolvimento trouxe benefícios para quem tem e para quem não tem solar em casa”, declarou o presidente do conselho de administração da associação, Ronaldo Koloszuk.

A ABSOLAR ressalta que, embora tenha avançado nos últimos anos e seja detentor de um dos melhores recursos solares do planeta, o Brasil continua com um mercado ainda muito pequeno em geração distribuída, já que possui mais de 85,9 milhões de consumidores de energia elétrica e menos de 0,5% faz uso do sol para produzir eletricidade.

“A energia solar terá função cada vez mais estratégica para o atingimento das metas de desenvolvimento econômico do País, sobretudo neste momento, para ajudar na recuperação da economia após a pandemia, já que se trata da fonte renovável que mais gera empregos no mundo”, destacou o CEO da ABSOLAR, Rodrigo Sauaia.

Orçamento aqui!