Segundo Aneel, o uso de energia solar aumentou 161% em 2019 por inúmeras vantagens, sendo a principal o baixo custo com eletricidade

O uso de energia solar teve um aumento significativo em 2019. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a energia solar cresceu 161% no país em relação ao ano anterior.  O principal motivo para essa maior procura foi o desejo dos brasileiros de baixar a conta de luz e, ao mesmo tempo, contribuir com o meio ambiente, uma vez que a fonte é renovável, limpa e reduz a emissão de gases que geram o efeito estufa, como o dióxido de carbono (CO2).

Ainda no benefício ambiental, a fonte solar ajuda a preservar o meio ambiente, diante de uma diminuição do uso das fontes convencionais (energia hidráulica, gás natural, carvão mineral, derivados do petróleo, energia nuclear).

O sistema solar fotovoltaico pode ser instalado em casas, comércios e indústrias. A instalação pode ser em telhados, fachadas, no solo e na água e pode reduzir em até 90% as contas de energia elétrica.

O tempo de retorno do investimento na forma de economia na conta de luz gira em torno de cinco anos e o tempo de vida útil do sistema é uma média de 25 anos. Ou seja, por cerca de 20 anos, o custo com eletricidade será quase nulo.

A quantidade de módulos pode variar, de acordo com o tamanho do empreendimento, que pode ser uma padaria, pousada, academia ou mesmo indústrias de grande porte, por exemplo. O sistema possui baixa manutenção, basta fazer uma limpeza duas ou três vezes ao ano.

Outra vantagem é que o consumidor de energia solar é independente dos constantes aumentos nas tarifas de eletricidade convencional. Em tempo de pandemia de covid-19, o uso de energia solar torna-se cada vez mais atrativa pela economia gerada. O usuário pode destinar os recursos para outras necessidades essenciais, como alimentação, saúde e educação, por exemplo.

Além disso, a aquisição do equipamento está cada vez mais acessível. Camila Ramos, vice-presidente de financiamento da ABSOLAR, destaca que para ajudar na aquisição do sistema de energia solar, estão disponíveis no País mais de 70 linhas de financiamento, com taxas de juro a partir de 0,75% ao mês, um patamar abaixo de outros momentos de crise no País, o que viabiliza a instalação. “O consumidor que não dispõe de recurso próprio também pode adquirir o sistema, uma vez que a economia na conta de luz trazida pela energia solar já paga a parcela do financiamento e ainda pode aumentar o poder aquisitivo das famílias em suas demais necessidades diárias”, explica.